Futebol - Formação

Juniores A – Derrota Injusta

23 Fevereiro, 2017. 12:20

Pinhalnovense 2-1 F.C.Barreirense

Campeonato Nacional de Juniores: 2.º Divisão, Fase de Manutenção, 1.ª jornada

Local: Pinhal Novo

Piso: Relvado sintético

Tempo: Sol

F.C.BARREIRENSE:

Gonçalo Raposo, Tiago Ribeiro, Alcino Afonso, Gonçalo Mota, Nuno Longo, João Pendão, Diogo André, João Lopes, Vlad Oprea, André Pimenta, Gonçalo Bettencourt,

Suplentes:

João Crespo, Bruno Figueiredo, João Jacinto, Jaime Mendes, Diogo Paiva, Renato Pinto, Serhiy Hulevych

Substituições:

Diogo Paiva por Gonçalo Bettencourt (56’); Renato Dinis por João Pendão (65’); Diogo André por Serhiy Hulevych (75’).

Golos:

1 x 0 aos 32’; 1 x 1 aos 85’por Serhiy Hulevych; 2 x 1 aos 93’

Ação Disciplinar: Nada a assinalar

Equipa Técnica: Hugo Ferreira; Paulo Sérgio; Gonçalo Lopes;

Massagista: Vanessa Pinho

Dirigentes: Paulo Nunes; João Palma

 

De volta ao campeonato e com metade dos pontos obtidos na 1.ª fase do mesmo, o Barreirense começou na luta de amealhar pontos e obter a manutenção o mais rápido possível. E com o que se fez durante o encontro, vir com um ponto de volta para o Barreiro já se podia considerar negativo, com zero pontos foi ainda mais. Os alvi-rubros entram dominadores, com muita posse de bola, sem demasiada pressa de chegar ao golo, tentando criar com critério. Contra a maré, cerca da meia hora de jogo, João Pendão faz falta – muito discutível na nossa opinião – e no livre directo, a bola bate na barra, desce e o árbitro assistente valida o primeiro golo da partida. Até final da primeira parte, nota de destaque para remate de Diogo André, com uma brilhante defesa do guardião da casa.

Inconformados, os jovens barreirenses entraram na segunda parte ainda mais determinados e a partir, sensivelmente, dos 60 minutos, a avalanche ofensiva foi de tal ordem, que o Barreirense em 25 minutos consegue dar, no mínimo, 7 a 8 remates com perigo. Esse perigo ia sendo afastado pelo guarda-redes caseiro que ia defendendo como podia as investidas Barreirenses. Certamente foi o homem do jogo. Mas, aos 85 minutos, estava reposta alguma justiça no marcador, com golo de Serhiy Hulevych. A emoção era grande e, diga-se, os nossos jogadores queriam tanto a vitória que, no final, aos 90+3’, numa transição rápida do Pinhalnovense após lançamento de linha lateral do Barreirense, chegaria ao 2-1 final. Demasiado injusto dada a exibição Barreirense, sendo provavelmente uma das melhores da época.